Deseja parar de fumar? governo municipal disponibiliza tratamento gratuito aos cupirenses

O governo municipal buscando recursos, projetos e ações em prol do desenvolvimento e ampliando os serviços de saúde no município, agora, a população tem à disposição tratamento contra o tabagismo. Os ciclos de capacitação dos profissionais da saúde foram concluídos hoje, 02 de fevereiro de 2016.

 O controle do tabagismo faz parte do Plano de Ações Estratégicas do Ministério da Saúde do Brasil para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis, que prevê uma série de iniciativas para reduzir em 2% ao ano, nos próximos dez anos, as mortes prematuras por DCNT. Em relação ao tabagismo, a meta é reduzir a frequência de fumantes em diferentes grupos, incluindo adolescentes e adultos. A expectativa é chegar a 2.022 tendo reduzido a frequência de fumantes de 15% para 9% na população adulta.

 Agora, 100% das unidades básicas de saúde do município disponibilizará o tratamento aos cidadãos cupirenses. Nos procedimentos terá abordagem de terapias de grupos e apoio com medicamentos. As triagens dos pacientes acontecerão na primeira semana após o carnaval. Os interessados devêm apenas apresentar o cartão do Sistema Único de Saúde – SUS e comparecer a uma sede do Programa de Saúde da Família – PSF mais próximo de sua residência.

 No primeiro mês de tratamento serão ofertados encontros semanais, os horários vão ficar a cargo da organização interna da equipe de casa PSF. Dando prosseguimento, no segundo mês de terapia os pacientes se encontrarão a cada quinze dias. Após concluir o terceiro mês, reuniões mensais. É importante enfatizar que cada paciente receberá avaliação individual e o plano de tratamento respeitará as necessidades de cada indivíduo. Todos terão um procedimento, tratamento integral para assim, se livrar saudavelmente do tabagismo. Maiores informações e possíveis dúvidas os interessados podem tirar no ato da inscrição.

As doenças crônicas não transmissíveis são doenças multifatoriais que se desenvolvem no decorrer da vida e são de longa duração. Atualmente, elas são consideradas um sério problema de saúde pública, e já são responsáveis por 63% das mortes no mundo, segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde.

 Seguindo essa tendência mundial, no Brasil as DCNT são a causa de aproximadamente 74% das mortes (dados de 2012). Isso configura uma mudança nas cargas de doenças, e se apresenta como um novo desafio para os gestores de saúde. Ainda mais pelo forte impacto das DCNT na qualidade de vida dos indivíduos afetados, a maior possibilidade de morte prematura e os efeitos econômicos adversos para as famílias, comunidades e sociedade em geral. As DCNT são resultado de diversos fatores, determinantes sociais e condicionantes, além de fatores de risco individuais como tabagismo, consumo nocivo de álcool, inatividade física e alimentação não saudável.

 

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUPIRA

“O importante é cuidar das pessoas”